• Unidade Centro (24h)
    (86) 3301-2500
  • Medical Leste
    (86) 3301-2510
  • WhatsApp

Saiba quais são os cuidados pessoais necessários para evitar o contágio pela Covid-19

15 de abril de 2020
oto

Ainda restam muitas dúvidas sobre os cuidados para evitar a contaminação pelo novo coronavírus, que causa a Covid-19. Embora as principais recomendações continuem sendo as do isolamento social, para quem pode ficar em casa, e da higienização constante das mãos, além do uso da máscara nas saídas essenciais, há outras medidas que ajudam a evitar a doença. São cuidados pessoais que incluem a correta limpeza de objetos de uso diário, como óculos e lentes de contato; a forma certa de manter a barba, o cabelo e as unhas; além das principais precauções com a alimentação e a hidratação.

Segundo o infectologista Fernando Chapermann, professor da PUC-RJ, ficar atento a esses detalhes é importante porque o vírus pode sobreviver por horas em diferentes superfícies:

— A lavagem frequente das mãos, com água e sabão, é fundamental, pois o vírus não penetra na pele, mas fica ali. Quando colocamos o dedo na boca, no olho ou no nariz, o que fazemos constantemente sem perceber, ele acaba contaminando — afirma.

Uma das principais precauções, segundo os especialistas, é manter as unhas cortadas, não só porque elas podem funcionar como área de depósito do vírus, mas também impede a higienização correta das mãos.

— Outro cuidado importante par a os homens é, pelo menos neste momento, retirar a barba ou mantê-la curta. A região também pode servir de acúmulo para o vírus, além de dificultar a higienização do rosto, estimular o toque na face e dificultar a correta utilização das máscaras — alerta Kirley de Souza, enfermeira especializada em controle de infecção hospitalar.

Outro objeto que costuma estimular o toque no rosto são os óculos. Embora ele sirva como uma certa barreira de contato entre o vírus e os olhos, os cuidados precisam ser reforçados ao manuseá-los.

— Qualquer objeto que a gente toca muito, como os óculos, mas também celular, caneta e escova de cabelo, por exemplo, precisa ser higienizado todas as vezes que for manuseado. Intensificar ainda mais a lavagem das mãos é recomendado — ensina Souza.

Outro cuidado é com a pele: o uso de hidratante corporal diário previne rachaduras e feridas, que podem servir como entrada para o novo coronavírus.

 

PREVINA-SE

Mantenha as unhas curtas
Unhas compridas dificultam a higienização correta das mãos, pois servem como áreas para acúmulo de micro-oganismos, inclusive do novo coronavírus. Neste momento de quarentena, o ideal é evitar fazer as unhas, para não sair de casa, não receber pessoas e, no caso de tentar fazer por conta própria, prevenir contra possíveis cortes e feridas. E também não use acrigel.

Na cabeça
Os cabelos devem ser lavados com mais frequência. Também é importante deixá-los sempre presos, não apenas para diminuir a superfície de exposição, mas para evitar passar a mão nele ou mesmo na face.

Barbudos
O ideal é que os homens abdiquem da barba, por enquanto. Ela pode impedir a correta higienização do rosto e servir de repositório de micro-organismos, além de estimular o toque das mãos na face. A barba também pode atrapalhar no correto ajuste da máscara.

Hidratação e alimentação
Beber água aumenta a imunidade e a saúde da pele, assim como hidratantes, que evitam rachaduras e fissuras, que podem ser porta de entrada para microrganismos. Na alimentação, opte por fibras, proteínas e vitaminas, como a A, que ajudam na cicatrização. Bebidas alcoólicas e excesso de carboidratos podem facilitar processos inflamatórios.

Imunidade em dia
Além de uma alimentação repleta de fibras, que fortalece as defesas do corpo, manter uma vida ativa, com a prática de exercícios físicos, mesmo em casa, fortalece a imunidade, o que é fundamental no combate ao coronavírus. Também é muito importante para a saúde mental em tempos de isolamento social, para quem pode ficar em casa.

Lentes de contato
Não é recomendado que se abandone o uso, mas os cuidados no manuseio e limpeza das mãos precisam ser redobrados, já que, ao colocá-las no olho, há contato direto com o globo ocular. Higienizá-las sempre com o removedor de proteína, que não pode ser substituído. Mesmo sem usá-las, é preciso lavá-las ao menos uma vez ao dia, limpando também a caixinha. Não use as lentes por mais de 12h seguidas e mantenha os olhos hidratados.

Óculos
Óculos podem funcionar como barreira de contato entre o vírus e o olho, mas eles também demandam atenção. É comum manuseá-los durante o uso para ajeitá-lo no rosto ou desembaçá-lo. Lavar as mãos antes de encostar e mantê-los sempre limpos são cuidados fundamentais.

Cortes
Se estiver com alguma ferida, o ideal é deixá-la sempre fechada, com esparadrapo ou outro produto descartável, para evitar que funcione como porta de entrada para micro-organismos e também para o vírus. É imprescindível fazer a correta higienização das mãos antes e depois de tocá-las, além de manter as feridas sempre limpas.

Objetos tocados pelas mãos
Bengala, aparelho de audição, medidor de pressão e demais objetos do dia a dia que são manuseados precisam ser higienizados com água e sabão, álcool 70% ou água sanitária – e com mais frequência do que o normal. Pessoas que precisam desses objetos no cotidiano também devem se lembrar de lavar as mãos com ainda mais regularidade.

No sono
Os aparelhos usados por quem tem dificuldade de respirar, como apneia, precisam ser higienizados antes e assim que forem usados, sempre de acordo com a recomendação do fabricante. Eles também precisam ser armazenados em local apropriado, em recipientes higienizáveis ou laváveis.

Objetos pessoais não podem ser compartilhados
Canetas, mouses, teclado, livros e celulares não devem ser compartilhados. Sempre que for utilizá-los, lavar as mãos.

Cartão, cuidados extras
Higienize as mãos com água e sabão antes e depois de usar o seu cartão, sua carteira de dinheiro e a maquininha de pagamento, já que ela provavelmente passou por muitos locais.

Fontes: Patrícia Brito, nutricionista da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Kirley de Souza, enfermeira especializada no Serviço de Controle de Infecção Hospitalar, Fernando Chapermann, infectologista da PUC-Rio, e Mariana Dantas Maia, oftalmologista - O Globo

Escreva um comentário