• Unidade Centro (24h)
    (86) 3301-2500
  • Medical Leste
    (86) 3301-2510
  • WhatsApp
    (86) 99573-8479

Entrevista – Dr. Terence Pires de Farias

2 de setembro de 2014
Dr Terence

Nosso bate-papo da vez é com o Dr. Terence Pires de Farias, médico cirurgião de cabeça e pescoço doutorado em oncologia pelo INCA-RJ, único brasileiro convidado a participar recentemente do 1º Congresso Anual Mundial de Impressão 3D na China. O especialista se dedica a 14 horas diárias de trabalho e gosta de passar o tempo livre com a família.

“Escolhi esta especialidade pelo desafio. É talvez a mais difícil especialidade cirúrgica oncológica, pois reune várias técnicas cirúrgicas ( neurocirurgia, oftalmologia, otorrinolaringologia, otologia, laringologia, rinologia, cirurgia oral e bucomaxilofacial, cirurgia plástica, cirurgia de pescoço, cirurgia endócrina, cirurgia vascular, cirurgia pediátrica, cirurgia torácica, cirurgia oncológica) o médico precisa saber clinicamente de oncologia, radioterapia, cuidados paliativos, biologia molecular…é uma especialidade muito vasta, que exige muito do cirurgião”.

O senhor foi o único brasileiro convidado a participar recentemente do 1º Congresso Anual Mundial de Impressão 3D. O que representou isso e o que foi possível trazer de novidade?

Grande orgulho. Congresso gigantesco, com milhares de convidados internacionais, meu trabalho muito aplaudido, uma das maiores casuísticas do mundo, só superado numericamente pela casuística do MD Anderson Hospital , Texas-USA, com grande melhoria na qualidade da reconstrução da mandíbula, na estética, na rapidez da cirurgia, no melhor conhecimento anatômico do tumor do paciente, com melhoria de custos, diminuição de drogas anestésicas e diminuição da mutilação da área doadora do enxerto que será utilizado para reconstrução da mandíbula.
O grande avanço lá mostrado, será a união da prototipagem com o uso de células tronco ósseas, assim evitará a retirada de osso de outras áreas do paciente para realizar a reconstrução.

 

Fale-nos, por favor, um pouco sobre o seu artigo publicado no “International Journal of Clinical Medicine”, que teve o recorde de 33 mil acessos no site.

O artigo publicado tem a grande novidade de além da possibilidade de reconstrução dos pacientes com a técnica da prototipagem, onde ganhamos muito tempo cirúrgico, também relata a possibilidade de construção de próteses de titânio da mandíbula e da articulação temporomandibular, o que diminuiu drasticamente o tempo cirúrgico, assim como não é necessário a retirada de osso de outras partes do corpo para realizara a reconstrução, ficando o resultado estético excepcional.

Dr. Terence

Você arriscaria dizer em quanto tempo teremos órgãos humanos artificiais reproduzidos em impressoras 3D?

Órgãos humanos já estão sendo fabricados nos EUA, para testar drogas , quimioterapias, efeitos colaterais, e até transplante de órgãos, porem ainda em pesquisa, e em pesquisa, isso leva 05 anos para realizar e mais 05 anos para aprovação( ver efeitos a longo prazo, portanto, só daqui a 10 anos no mínimo.

 

Qual seria o principal desafio em tornar essas tecnologias mais efetivas e acessíveis no Brasil?

Seria a divulgação, treinamento de engenheiros para manipular máquinas de impressora 3D. Do ponto de vista médico, o processo é muito fácil e gratificante.

Hoje, mais de 30% das pessoas com câncer na cavidade bucal têm menos de 40 anos e não são necessariamente fumantes. O que mudou nos últimos anos e o que pode ser feito pela população para evitar esse problema?

A biologia molecular vai ajudar com detecção a nível de DNA, os mais propensos a desenvolver câncer de boca, ou os que já dispõe da alteração no DNA.
Além do tabagismo e etilismo, responsável por mais de 90 % dos casos de câncer de boca, o HPV vem se tornando o grande vilão principalmente o tipo 16, o qual vem sendo contemplado com as vacinas. Esperamos que haja uma diminuição. O sexo oral e a promiscuidade colaboram para esta transmissão.
Mas o que realmente iria diminuir comprovadamente a incidência do câncer de boca, é o aumento dos impostos no cigarro assim como o aumento do preço do cigarro, forçando a população de baixa renda que são os mais acometidos a fumarem menos.

Dr. Terence Pires de Farias
Formação acadêmica:
Residencia médica em Cirurgia de Cabeça e Pescoço 1997/2000, INCA RJ
Titulo de especialista pela Pontifícia Universidade Católica do RJj, Cirurgia de Cabeça e Pescoço
Título de especialista em Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço
Titular do colégio brasileiro de cirurgiões.
Mestrado em Oncologia pelo INCA, capes 6
Doutorado em Oncologia pelo INCA, capes 6
Professor assistente de Cirurgia de Cabeça e Pescoço curso de pós graduação em Cirurgia de Cabeça e Pescoço na Pontifícia Universidade Católica do rj
Titular de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Instituto Nacional do Câncer INCA RJ

2 Comentários

  1. Helena Alves de Oliveira
    14 de janeiro de 2016

    Esta entrevista é uma pequena mostra do quão grande o Dr. Terence é profissional. Sou paciente e admiradora dele, e registro aqui sua competência e capacidade de diagnosticar, com humanidade e precisão. Ele foi enfático e claro no meu caso, pois já não havia muito o que fazer, mas diante de suas palavras me senti tão aliviada, que só pensei na cura. O que veio a se realizar. Portanto só tenho a agradecer a este profissional que vem se destacando e certamente ainda veremos grandes conquistas médicas realizadas por ele.


  2. Tania Mendes Rodrigues
    12 de outubro de 2016

    Quero deixar aqui meu depoimento em relação a esse profissional fantástico, esse ser humano como não tinha visto até hoje chamado Dr Terence Pires de Farias.Todas as homenagem a ele ainda é pouco, sei que se depender de sua competência, dedicação, humanidade, todo e qualquer paciente que passar em suas mãos, sairão curados. Tudo que eu falar desse ser humanos fantástico será pouco. Mais acho mais que merecedor todo reconhecimento a ele.Quero agradecer por tudo que fez ao meu tio Helio Leal, em nos dar esperança e certeza de que tudo correria bem, não nos abandonou em nenhum momento, dando suporte, atenção antes, durante e depois da cirurgia. Por isso grande mestre todas as homenagens e reconhecimentos, ainda são pouco para falar desse ser humano chamado Terence. Só tenho a dizer: Obrigada, Obrigada e Obrigada.Abraços Tania


Escreva um comentário