• Unidade Centro (24h)
    (86) 3301-2500
  • Medical Leste
    (86) 3301-2510
  • WhatsApp

6 hábitos saudáveis para começar na quarentena e levar para a vida

10 de junho de 2020
Adestaque1

De uma coisa temos certeza: o isolamento social nos fez mais criativos. Para não cair na rotina e deixar o momento atípico mais animado, muitas pessoas estão se reinventando e aprendendo novas práticas. E que tal absorver alguns desses hábitos e fazê-los permanentes na sua vida depois da quarentena? Especialistas apontaram uma lista de atividades que podem ser levadas adiante para que você se mantenha saudável.

1. Medite
Você já experimentou fazer meditação? É uma excelente forma de “reset” da mente. De acordo com Dra. Beatriz, existem trabalhos científicos que mostram que a meditação ativa áreas em nosso cérebro que não usamos ao longo de nossa rotina diária, melhorando a capacidade de conexões e melhorando nosso foco. O estresse oxidativo também ocorre no cérebro. Essas pesquisas ainda mostram diminuição de estresse oxidativo após 2 meses de prática de meditação.

Aproveite os dias de isolamento social para pesquisar aplicativos que ensinam passo a passo sobre meditação para iniciantes e também níveis mais avançados. A prática de relaxamento é uma ótima indicação para manter corpo e mente controlados e fazem seus dias ficarem um pouco mais leves.

2. Hidrate-se
O ideal é criar uma rotina: de hora em hora, a cada duas horas, como achar melhor, coloque um alarme se for necessário. Existem até aplicativos para isso! O ideal é levantar-se para buscar a água, uma forma de se movimentar de tempos em tempo. Levante, vá até a cozinha, tome água, alongue-se, olhe pela janela, mexa os músculos, respire e volte ao trabalho. O indicado é consumir 1,5 a 2 litros por dia.

A dica do cirurgião é que você programe um despertador a cada 2 horas e deixe uma garrafa de água sempre à mão. “Além disso, sempre que sentir fome, tome um pouco de água antes de consumir o alimento. Muitas vezes, a sensação de sede é confundida pelo nosso cérebro pela de fome”, completa ele.

3. Coma bem – e melhor!
Uma alimentação balanceada e saudável é essencial para manter à saúde e fortalecer o sistema imunológico. Mas como deixá-lo mais forte? A médica Dra. Beatriz Lassance explica que a imunidade é garantida pelas células chamadas leucócitos: “Quando nosso organismo é ‘invadido’ por algum inimigo existe uma produção maior deste exército”. Para isso precisamos oferecer a esse mecanismo de defesa consumindo proteínas, vitaminas, sais minerais, gorduras saudáveis, ou seja, energia de boa qualidade.

Alguns alimentos atrapalham esse exército de leucócitos, principalmente comidas com índice glicêmico alto, como açúcar e farinha branca, que causam picos de glicemia (açúcar no sangue). Esse desequilíbrio é chamado de estresse oxidativo e os leucócitos trabalham mal onde há estresse oxidativo.

Segundo Dra. Beatriz, existem estudos que relacionam a melhora de alergias e doenças autoimunes com uma flora intestinal regulada. Para manter o bom funcionamento da flora é importante consumir frutas, verduras, fibras em geral. Você deve evitar gordura, fritura, açúcar, farinha e produtos industrializados.

“Esse é um ótimo efeito colateral desta pandemia: aprender a cozinhar, inventar cardápios, trocar receitas, reinventar a maneira de se relacionar com a comida e pensar muito antes dela estar no seu prato, porque antes era só sentar e comer. É um bom momento de experimentar novos ingredientes, pensar em alimentos saudáveis, evitar industrializados”, diz.

Para o Dr. Mário Farinazzo, algumas vitaminas, como a D, por exemplo, participam de muitos processo importantes e sua falta pode deixar o organismo mais lento e menos apto ao combate a infecções “O mais indicado é consumir alimentos in natura e, se possível, orgânicos, que têm maior concentração de vitaminas e sais minerais. As frutas e verduras de época – maçã, laranja, tangerina, couve e espinafre – são uma boa pedida pela facilidade e qualidade”.

4. Faça atividades físicas
A dica é: faça qualquer atividade que dê prazer! Esse é um ótimo momento para descobrirmos atividades prazerosas, porque temos tempo para isso. A atividade física é o maior antioxidante que existe, porque o consumo de energia do corpo em movimento obriga nosso organismo a produzir antioxidantes de maneira enorme, que nos protege da ação dos radicais livres.

Qualquer atividade física é importante e quanto maior o número de músculos você mexer, melhor. O ideal é ter algum tipo de orientação. Hoje já existem inúmeras lives nas redes sociais que podem ser acompanhadas. “Uma dica é subir e descer escadas, mesmo no confinamento, sair para exercitar-se é permitido: use máscara, mantenha distância e chegue em casa suada. A imunidade agradece”, aconselha Dra. Beatriz.

5. Aproveite o home office
Nos últimos meses, muitas pessoas tiveram que readaptar sua rotina de trabalho e o jeito foi criar um espaço dentro de casa. A orientação é seguir uma rotina da mesma maneira que você faz no escritório. Tenha a hora para acordar, hora de parar para almoçar na mesa com a mesa bem posta e hora de encerrar o expediente. Os descansos são muito importantes em qualquer situação.

Estabeleça um local para o trabalho e organize-o. De preferência, a um local claro, ventilado e isolado do restante da casa. A ergonomia deve ser levada em conta pelo menos com uma mesa na altura adequada e uma cadeira confortável com apoio para as costas.

Dra. Beatriz pede para que você converse com todos da casa para que não seja incomodado naquele período. “As interrupções, muito comuns para quem tem crianças em casa, por exemplo, pode ser um fator muito estressante”. Portanto, depois da quarentena, se você tiver que trabalhar em casa, será muito fácil e agradável, já que seu ambiente de trabalho estará totalmente adaptado para realizar as tarefas.

6. Durma bem
Ter uma boa noite de sono ajuda a diminuir o estresse e a ansiedade. Um fator determinante para um bom sono é a falta de exposição solar, que pode causar uma disfunção na produção de melatonina, um hormônio que regula o sono. Por isso, é importante pela manhã você olhar para o céu e sol por, pelo menos, 20 minutos. A prática informa seu organismo que você está acordado, controla a produção de cortisol e diminui a produção de melatonina.

Depois disso, ao longo do dia o organismo vai se reorganizando para ter sono à noite novamente, o chamado ciclo circadiano. Quando a noite chegar, você também ajudar seu corpo a entender que é hora de descansar, para isso evite telas de celular, tablet, TV, computador ao menos 1 hora antes de dormir. Outra dica é não comer alimentos pesados e com muito carboidrato à noite. Se você dá muita energia para seu corpo, ele vai se preparar para gastá-la e isso pode dificultar o sono. “Já está mais que provado que pessoas que não atingem as fases mais profundas do sono, incluindo a chamada fase REM (descanso total do corpo), têm desempenho menor nas atividades intelectuais que são importantes também para a organização das ideias.

Fonte: Marie Claire

 

Escreva um comentário